Ligia Fabris

Doutora em Direito e Professora da FGV

A grande advogada feminista Lígia Fabris é professora da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV Direito Rio) e doutora em Direito na Universidade Humboldt de Berlim (Alemanha), bolsista de doutorado integral do DAAD. Tem graduação e mestrado em Direito pela PUC-Rio. Sua tese se chama “O direito de ser si mesmo: a tutela da identidade pessoal no ordenamento jurídico brasileiro”. Atua em defesa dos nossos direitos.

Sábado 21/09 – 17h30-18h45
Mesa de Debate – O sistema eleitoral que temos e as comparações internacionais

CCSP | Adoniran

Teresa Sacchet

Doutora em Ciência Política

Especialista no assunto, Teresa Sacchet é doutora em Ciência Política pela Universidade de Essex, tem pós-doutorado pela USP também em Ciência Política, e atua como professora do Programa de Pós-graduação em Estudos Interdisciplinares em Mulheres, Gênero e Feminismos da UFBA (PPGNEIM, UFBA). Suas pesquisas atuam principalmente nas áreas de teorias feministas, partidos políticos, representação política, sistemas eleitorais e partidários, e quotas – tudo em uma perspectiva de gênero e também racial.

Sábado 21/09 – 17h30-18h45
Mesa de Debate – O sistema eleitoral que temos e as comparações internacionais

CCSP | Adoniran

Jolúzia Batista

Socióloga e Integrante do CFEMEA

Com trajetória extensa de luta coletiva em organizações, Joluzia Batista integra a equipe do CFEMEA (Centro Feminista de Estudos e Assessoria) desde 2012. Socióloga, trabalha com direitos humanos e das meninas e mulheres. Nos anos 2000 fundou juntamente com outras companheiras o Coletivo Autônomo Feminista Leila Diniz. Entre 2015 e 2016 integrou o Grupo Assessor da Sociedade Civil de ONU MULHERES. Compõe a Coordenação Colegiada da Plataforma DhESCA (Plataforma Brasileira de Direitos Humanos Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais) e é ativista da Articulação de Mulheres Brasileiras e do Fórum de Mulheres do DF e Entorno.

Domingo 22/09 – 14h30-15h45
Mesa de Debate – Historicamente como as mulheres fizeram política estando fora da política?

CCSP | Adoniran

Jacqueline Pintanguy

Coordenadora da ONG CEPIA

A histórica Jacqueline Pitanguy é socióloga, cientista política e Coordenadora da ONG CEPIA (Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação), uma organização não governamental sem fins lucrativos que luta pela igualdade de gênero em defesa dos direitos das mulheres. Ela é membra do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher. Por sua enorme contribuição, foi uma das indicadas para o Prêmio Nobel da Paz de 2005.

Domingo 22/09 – 14h30-15h45
Mesa de Debate – Historicamente como as mulheres fizeram política estando fora da política?

CCSP | Adoniran

Helena Vieira

Escritora e Ativista

Helena Vieira é escritora, ativista LGBTQIA+ e transfeminista. Helena Vieira nasceu em São Paulo, mas foi no Ceará que iniciou sua transição. Formada em Gestão de Políticas Públicas (USP), já foi pré-candidata a deputada federal no Ceará pelo PSOL, pesquisadora do Núcleo de Políticas de Gênero e Sexualidade da Unilab e assessora parlamentar do deputado estadual Renato Roseno (PSOL).

Sabádo 21/09 – 16h-17h15
Mesa de Debate – Interseccionalizando as violências na política

CCSP | Adoniran

Dríade Aguiar

Fundadora do Mídia NINJA

Dríade Aguiar é voz importante, comunicadora e ativista do feminismo negro, militante body positive, gestora do Fora do Eixo e fundadora do Mídia NINJA. Organiza o ELLA – Encontro Latino-Americano de Feminismos e ainda coordena o projeto “Campanha De Mulher”, uma iniciativa suprapartidária de comunicação para candidatas feministas.

Domingo 22/09 – 17h30-18h45
Mesa de Debate – Campanha de mulher

CCSP | Adoniran

Maíra Saruê

Diretora de Pesquisa do Instituto Locomotiva

Com trajetória impecável, Maíra Saruê é cientista social (USP) e Mestre em Sociologia (USP). Atualmente é diretora de pesquisa do Instituto Locomotiva e desde 2012 se dedica ao estudo das classes sociais e hábitos no Brasil contemporâneo.

Domingo 22/09 – 17h30-18h45
Mesa de Debate – Campanha de mulher

CCSP | Adoniran

Hildete Pereira

Doutora em Economia e Professora da UFF

Hildete Pereira é figura histórica. Economista, Doutora em Economia e professora associada da Faculdade de Economia do Programa de Estudos Pós-Graduados em Política Social da UFF. Foi militante desde os anos 1960 e doou parte de seu acervo ao Arquivo Nacional. Foi membra efetiva do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher na gestão Sarney (1985-1989) e coordenadora dos Programas de Educação e Ciência da Secretária de Políticas para as Mulheres da Presidência da República nas gestões de Lula e Dilma (2009/2010 e 2012-2014).

Domingo 22/09 – 16h-17h15
Mesa de Debate – O viés inconsciente da eleitorada

CCSP | Adoniran

Débora Thomé

Cientista Política e Ativista

Multitalentosa, Débora Thomé é cientista política, escritora, Doutoranda em Ciência Política na UFF e ativista feminista. Fundou o primeiro bloco de carnaval feminista do Rio de Janeiro – “Mulheres Rodadas”. Após 15 anos no jornalismo, trabalha com advocacy, treinamento e pesquisa relacionadas às questões de mulher e liderança. É autora dos livros “Mulheres e poder” e do infantil “50 Brasileiras Incríveis para conhecer antes de crescer”, finalista do Prêmio Jabuti.

Domingo 22/09 – 16h-17h15
Mesa de Debate – O viés inconsciente da eleitorada

CCSP | Adoniran

Monica Benício

Militante dos Direitos Humanos

Cria da Maré, feminista, lésbica, ativista LGBTQIA+, é militante dos direitos humanos e mestranda em arquitetura e urbanismo. Monica exerce uma força que abre cada vez mais caminhos para o debate público. É figura fundamental para essa discussão em torno do poder das mulheres, do pensamento de como seguir ocupando os espaços de onde nos expulsam. Na resistência diária pela memória e justiça para Marielle.

Sábado 21/09 – 19h-20h15
Mesa de Debate – O Legado de Marielle Franco

CCSP | Adoniran

Éthel Oliveira

Cineasta e Documentarista

Talentosa cineasta, documentarista, cineclubista e montadora. Seus projetos audiovisuais como diretora estão sempre alinhados com a questão do gênero e da negritude. Agora está em fase de edição de seu primeiro longa-metragem, o documentário “SEMENTES”, onde acompanha o cotidiano das campanhas de seis candidatas negras, sementes de Marielle, nas eleições de 2018: Jaqueline de Jesus, Mônica Francisco, Renata Souza, Rose Cipriano, Tainá de Paula e Talíria Petrone.

Sábado 21/09 – 19h-20h15
Mesa de Debate – O Legado de Marielle Franco

CCSP | Adoniran

Roberta Eugênio

Advogada e Membra do Instituto Alziras

Roberta Eugênio é advogada, mestranda pelo PPGD/UFRJ e membra do Instituto Alziras. Pesquisadora e ativista, Roberta estuda a violência política contra as mulheres através do feminismo negro, refletindo acerca dos arranjos de uma violência política de gênero e raça. Integrou o Instituto de Defensores de Direitos Humanos – DDH, de 2015 até 2016 e a Redes da Maré, como advogada da Casa das Mulheres da Maré. Em janeiro de 2017 passou a integrar a Assessoria Parlamentar da Vereadora Marielle Franco – PSOL, permanecendo na equipe jurídica da Mandata até o final.

Domingo 22/09 – 16h-17h15
Mesa de Debate – O viés inconsciente da eleitorada

CCSP | Adoniran

Domingo 22/09 – 19h-20h15
Mesa de Debate – 2020: Desafios e soluções para elevar a representação de mulheres na política

CCSP | Adoniran

Manuela D’Ávila

Jornalista e Mestra em Políticas Públicas

Manuela D’Ávila é essa grande liderança política e símbolo feminista no país. Foi vereadora de Porto Alegre, deputada federal por dois mandatos, líder do PCdoB na Câmara dos Deputados e deputada estadual do RS. Em 2018, integrou a chapa de Fernando Haddad (PT), mobilizando milhares de votos. É diretora executiva e fundadora do Instituto E Se Fosse Você?, ong voltada para criação de conteúdo de combate à fake News e ódio nas redes. Em todos os seus mandatos e campanhas, esteve pautando incansavelmente os direitos das mulheres.

Domingo 22/09 – 19h-20h15
Mesa de Debate – 2020: Desafios e soluções para elevar a representação de mulheres na política

CCSP | Adoniran

Alyssa Battistoni

Escritora e Doutora em Harvard

Alyssa Battistoni é pós-doutora pela Universidade de Harvard e associada ao corpo docente da Brooklyn Institute for Social Research. Seu trabalho acadêmico aborda economia política, política ambiental, feminismo e história do pensamento político. Atualmente escreve sobre feminismo na politica, trabalho e meio ambiente para várias publicações, incluindo The Nation, N+1 e Jacobin, onde ela também é do conselho editorial. Seu livro A PLANT TO WIN: Why We Need a Green New Deal, em co-autoria com Kate Aronoff, Daniel Aldana Cohen e Thea Riofrancos, será lançado em novembro pela Verso Books.

Twitter @alybatt,
website: www.alyssabattistoni.com

Domingo 22/09 – 20h30-21h30
Masterclass – Alyssa Battistoni com mediação de Manoela Miklos

CCSP | Adoniran

Paula Beatriz de Souza Cruz

1ª diretora trans de uma escola pública em São Paulo

Paula Beatriz de Souza Cruz, 48 anos, é mulher transexual, negra, pedagoga, pós-graduada em Gestão Educacional pela UNICAMP/SP e pós-graduada em Docência no Ensino Superior pela Universidade Estácio de Sá.

Diretora de Escola na EE Santa Rosa de Lima, no Capão Redondo, foi uma das condutoras pela mobilização quanto à inclusão de nome social de alunos (as) transexuais e travestis em listas de chamada e diários de classe.

É militante independente dos movimentos sociais, políticos, educacionais e culturais LGBTI+. Com diversos prêmios na carreira, em 2018, foi homenageada pela Secretaria de Estado da Educação pela notável participação na categoria Diversidade Sexual e de Gênero. Em 2019 foi homenageada na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo pela luta dos direitos da população LGBTQIA+ no Ato Solene do Orgulho LGBTQIA+.

Sábado 21/09 – 17h-17h45
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Caminhada das Mulheres

CCSP | Espaço Missão

Pedro Figueiredo

MEMOH

Um homem branco, heterossexual e de classe média que busca deixar de ser parte do problema e passar a ser parte da solução ouvindo mulheres, refletindo sobre seu comportamento e agindo para transformar.

Sábado 21/09 – 18h45-20h15
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo: Homens, o papo também é com vocês – um debate sobre masculinidades

CCSP | Jardel Filho

Simony dos Anjos

Simony dos Anjos é mãe do Bernardo e da Nina. É evangélica, cientista social, mestre em educação e curadora da Coluna Féminista, no portal de notícias Justificando, espaço no qual mulheres discutem a relação entre fé, gênero, raça e política. Durante seu percurso acadêmico, pesquisou, na área de Antropologia da Educação, a relação da educação com a diversidade. Entretanto, tendo em vista os últimos acontecimentos da política brasileira, tem aliado a fé e a luta política, assumindo a identidade de Feminista Cristã. O que parecia ser uma contradição em termos, passou a ser o centro de uma militância no coletivo “Evangélicas Pela Igualdade de Gênero” (EIG). Um caminho que une fé e realidade social das mais de 8 milhões de mulheres negras no Brasil, as quais têm suas vidas atravessadas pela opressão de gênero, classe, raça e o discurso religioso racista e machista que escutam diuturnamente nas Igrejas nas quais frequentam em busca de humanização e refúgio. Por que não subverter o espaço da igreja e torná-lo um lugar seguro e de combate ao machismo e o racismo? Desse modo, Simony tem trilhado o caminho do feminismo negro cristão em parceria com a Rede de Mulheres Negras Evangélicas.

Sábado 21/09 – 19h-19h45
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Caminhada das Mulheres

CCSP | Espaço Missão

Lyz Parayzo

Performer e Manicura

Lyz Parayzo é ativista LGBTQ+, manicura, escultora e performer. Ese ano participará de um programa de intercâmbio na École Superiéure Beaux-Arts de Paris e foi nomeada ao Cisneros Fontanals ArtFoundation (CIFO) Prize 2019. Tem o corpo como principal suporte de trabalho e sua performatividade diária como plataforma de pesquisa. Vem desenvolvendo atualmente esculturas e objetos em prata e alumínio. Suas esculturas fazem parte das coleções do Museu de Arte Contemporânea (MAC) de Niterói e Museu de Arte do Rio (MAR).
No dia 19 de setembro, antes da abertura da exposição, performará a ação Putinha Terrorista #6 – CCSP, que consiste na distribuição de 10.000 flyers de prostituição (site specific) com telefone e endereço de instituições de arte. 06 desses panfletoss erá exposto em uma instalação na mostra. Além disso, apresentará sua videoinstalação chamada Guarda Nacional, de 2016, projetada sobre papel manilha rosa.

Sábado 21/09 – 16h
Exposição Mulheres na Arte Brasileira: Entre Dois Vértices – Performance – Putinha Terrorista #6

CCSP

Prili

Artista e Arte-Educadore

Prili é artista e arte-educadore. Traça pontos entre jogos, cidade e materiais. É atraída por inversões e mudanças de perspectivas, transações que são constantes para crianças. Com o coletivo Piratas de Gênero, propõe a Oficina-performance-educativo-psicológica Drag King, que propõe uma desconstrução de signos de gênero e suas consequências sociais. Atividade lúdica de tráfico de cabelos, investiga o gênero como tecnologia coletiva, evitando sua redução à psicologia individual. A oficina se dará na abertura da exposição, no dia 21 de setembro.
No espaço expositivo, vai expor três lambes grandes com retratos de três drags kings, registros de outras edições da oficina. Além disso, apresentará o lançamento do fã clube Virginia de Medeiros, uma parceria com Anitta Boa Vida. O trabalho consiste em uma mesa com itens: prescrição testogel, sabonete usado, livros, contos eróticos inéditos, dildo, peça de roupa, catálogo de itens, camiseta do fã clube, catálogo de exposições, etc.

Sábado 21/09 – 16h30-19h30
Exposição Mulheres na Arte Brasileira: Entre Dois Vértices – Oficina-performance-educativo-psicológica Drag King

CCSP | Flávio de Carvalho

Sábado 19/10 – 17h
Exposição Mulheres na Arte Brasileira: Entre Dois Vértices – Pollyana Quintella conversa com Prili & Coletivo Piratas do Gênero

CCSP

Élle de Bernardini

Artista e Bailarina

Élle de Bernardini é uma mulher transexual com uma produção permeada por sua biografia. Suas obras abordam a intersecção entre questões de gênero, sexualidade, política e identidade com a história da humanidade e da arte. Desenvolvem-se em diferentes suportes como, performance, fotografia, vídeo, objeto, pintura, instalação e site-specific. No dia 22 de setembro, apresentará performance e exposição de registros do trabalho “Dance With Me”, onde cobre o corpo com mel e folhas de ouro 18k. Ao som de bossa nova e mpb convida o publico a dançar comigo, num gesto de aproximação e desfetichização. Brinca com o jargão “não te aceito nem coberta de ouro”, para questionar os mecanismos de aceitação e rejeição dos corpos trans e não-binários pela sociedade normativa.

Domingo 22/09 – 17h-18h
Exposição Mulheres na Arte Brasileira: Entre Dois Vértices – Performance – Dance With Me

CCSP | Flávio de Carvalho

Sábado 28/09 – 18h
Élle de Bernardini e Carollina Lauriano conversam com Pollyana Quintella sobre a performance “Dance With Me”

CCSP

Dora Smék

Performer

Parte desse elenco, Dora Smék trabalha com esculturas, instalações, performances, fotografias e vídeos sempre a partir do corpo em tensão com seu contexto. Estuda dança e Performance. Em 2019 foi premiada no 47o Salão de Arte Contemporânea Luiz Sascilotto (Santo André- SP). No dia 28 de setembro, apresentará o trabalho “Transbordação”: um paredão de mulheres lado a lado que inspiram e expiram em uníssono até transbordarem no tempo de cada corpo urinando nas calças. Um ato ao mesmo tempo íntimo, individual, coletivo e público, propondo desautomatizar os processos adestrados do corpo como possibilidade de “controlar o descontrole”. A performance envolve mulheres por meio de convocatória pública. Além de realizar a performance, Dora vai expor algumas imagens ampliadas, com o resultado de outras edições.

Sábado 28/09 – 16h
Exposição Mulheres na Arte Brasileira: Entre Dois Vértices – Performance – Transbordação

CCSP

Sábado 05/10 – 17h
Dora Smék e Pollyana Quintella conversam a respeito da performance “Transbordação”

CCSP

Micaela Cyrino

Artista Visual e Educadora

Micaela Cyrino é artista visual, educadora e palestrante. Nascida com HIV/Aids, logo na adolescência se engajou na luta contra a Aids para defender os direitos das pessoas que vivem com o vírus. Em sua arte traz uma forma de discutir sobre o HIV/Aids e se expressar como mulher negra. Integrante do Coletivo Amem, tem seu trabalho voltado para as mulheres discutindo direitos sexuais e reprodutivos.
A performance “Cura” é um exercício de diálogo sobre a epidemia, a partir de sua sorologia positiva para o HIV, buscando desmistificar e desconstruir o conceito de grupo ou comportamento de risco — já que adquiriu o vírus por transmissão vertical. Dentro dos ensinamentos ancestrais de cuidado, Micaela se limpa com ervas e incensos, enquanto não existe uma cura clínica para o HIV.

Sábado 12/10 – 15h30
Exposição Mulheres na Arte Brasileira: Entre Dois Vértices – Performance – Cura

CCSP

Sábado 12/10 – 17h
Micaela Cyrino e Pollyana Quintella conversam sobre a performance “Cura”

CCSP

Renata Felinto

Artista Visual e Pesquisadora

Renata Felinto é artista visual, pesquisadora, educadora. Há mais de dez anos, coordena e idealiza iniciativas dedicadas à cultura de matriz africana. Em 2012, a série Afro-Retratos conquista o 2º Prêmio Nacional Expressões Culturais Afro-Brasileiras, da Fundação Cultural Palmares. Em 2016, concluiu doutorado sobre identidade afrodescendente nas artes visuais contemporâneas.
Fará a exibição de 3 fotos da série “White Face and Blonde Hair”. Travestida com uma peruca loira e o rosto pintado de branco, a própria artista é quem aparece nas imagens. Segundo ela, este trabalho foi produzido como uma crítica em resposta aos vários personagens de humor presentes tanto na televisão quanto no teatro, interpretados por atores e atrizes de cor branca que se pintavam de preto, para se caracterizar como se fossem uma pessoa negra.

Todos os dias de exposição
Exposição Mulheres na Arte Brasileira: Entre Dois Vértices – Performance – White Face and Blonde Hair

CCSP

Millena Lízia

Artista e Pesquisadora

Millena Lízia é artista e pesquisadora independente. Em 2015, participou com a performance Coleta de Sopros do filme Elekô, direção de Amanda Palma e coletivo Mulheres de Pedra, – premiado como o melhor filme e melhor ficção do festival 72HORAS RIO e convidado para ser exibido no 8o Encontro de Cinema Negro Brasil, África e Caribe. Teve trabalhos exibidos nas coletivas 1a Mostra Cine Gastación ECDR (2012-RJ); Panorama ECDR 2011 (RJ) e no Festival de Vídeo EAV Parque Lage/RioShow (2011- RJ). Apresentará os desdobramentos do trabalho “Faço Faxina”. Durante um ano, Millena se propôs a realizar doze faxinas em diferentes casas a partir de agendamentos públicos, investigando as relações entre trabalho e arte, informalidade e precarização sobre o corpo negro feminino.

Todos os dias de exposição
Exposição Mulheres na Arte Brasileira: Entre Dois Vértices – Performance – Faço Faxina
CCSP

Priscila Rezende

Artista

Priscila Rezende trabalha com a inserção e presença do indivíduo negro na sociedade brasileira. Partindo de suas próprias experiências, Priscila aciona as limitações impostas, discriminação e estereótipos aos quais é submetido como sujeito negro e os confronta em ações corporais viscerais que buscam estabelecer com o público um diálogo direto, sem permitir possibilidade de subterfúgios ou evasivas. Em 2018, foi artista residente na instituição Central Saint Martins, Londres e Art Omi, Ghent. Para a exposição, fará exibição do vídeo que documenta a performance “Bombril”, onde, por aproximadamente uma hora, a artista esfrega uma determinada quantidade de objetos com seus próprios cabelos. “Bombril”, além de uma conhecida marca de produtos para limpeza e de uso doméstico, faz parte de uma extensa lista de apelidos pejorativos, utilizados em nossa sociedade para se referir a uma característica do indivíduo negro — o cabelo.

Todos os dias de exposição
Exposição Mulheres na Arte Brasileira: Entre Dois Vértices – Performance – Bombril

CCSP

Carol Barcelos

Jornalista e fundadora do Projeto Destemidas

Carol é jornalista, mãe da Julia e fundadora do projeto Destemidas, que busca desenvolver o potencial de 30 mulheres da comunidade da Maré, no Rio de Janeiro. Repórter e apresentadora esportiva da TV Globo, conta com grandes coberturas na carreira, incluindo a Copa do Mundo feminina em 2019. De 2013 a 2015, esteve a frente do programa Planeta Extremo.

Sábado 22/09 – 14h30-16h
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Atletas, mulheres: a representatividade das mulheres nos esportes

CCSP | Jardel Filho

Gilmara Cunha

Diretora Geral do Grupo Conexão G de Cidadania LGBT Moradoras de Favelas

Gilmara Cunha é moradora do complexo de favelas da Maré desde que nasceu. É especialista na temática LGBT de Favela, estudante de psicologia e Diretora Geral do Grupo Conexão G de Cidadania LGBT Moradoras de Favelas. Foi a 1º primeira transexual a receber a Medalha Tiradentes, a mais alta honraria fluminense, concedida pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro Alerj. Aos 20 anos, Gilmara iniciou sua trajetória no movimento social LGBT, onde luta para a melhoria de vida da população LGBT de favelas.

Sábado 21/09 – 16h45-18h30
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – As mulheres como expressão da potência da periferia

CCSP | Jardel Filho

Adriano Beiras

Doutor em Psicologia Social (UAB), Professor do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (UFSC) e Psicoterapeuta

Adriano Beiras é psicoterapeuta, professor do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutor Europeu em Psicologia Social pela Universidade Autônoma de Barcelona (UAB), Espanha. Especialista em Terapia de Casais e Famílias. Coordenador do Núcleo de Pesquisas Margens (Modos de Vida, Família e Relações de Gênero) na UFSC. Editor da Revista Nova Perspectiva Sistêmica (Editora do Instituto Noos-SP). Realizou visita pós-doutoral na Universidade de Brighton, Reino Unido e Universidade de Granada, Espanha. Foi Professor Visitante na Universidade de Santiago de Chile- USACH e também na Universidade Andina Simón Bolivar (Quito, Equador), onde criou e ministrou a disciplina Masculinidades Plurais. Membro associado do The Taos Institute, USA. Trabalha principalmente com os temas masculinidades, violências, sexualidades e grupos reflexivos de gênero.

Sábado 21/09 – 18h45-20h15
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo: Homens, o papo também é com vocês – um debate sobre masculinidades

CCSP | Jardel Filho

Angelica Ferrarez

Doutorando em História Política (UERJ) e Apresentadora da Webserie Rodadas

Angélica Ferrarez de Almeida é doutoranda em História Política na UERJ com pesquisa em História Social das Mulheres e do Samba. Idealizadora e apresentadora da Webserie Rodadas, um encontro de mulheres negras para falar sobre a história das mulheres no mundo. Produtora do Samba em Prosa, que são rodas públicas de conversa em bares do RJ. Faz parte da equipe de memórias e identidades da Redes da Maré atuando em projetos sobre gênero e raça nas favelas.

Domingo 22/09 – 18h15-19h45
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo: Ancestralidade e Gênero: como esse debate fortalece a luta das mulheres?

CCSP | Jardel Filho

Pollyana Quintella

Curadora-assistente do Museu de Arte do Rio e Curadora da Exposição “Mulheres na arte brasileira - entre dois vértices” do Festival#Agora

Pollyana Quintella é curadora-assistente do Museu de Arte do Rio e pesquisadora independente. Formou-se em História da Arte pela UFRJ e é mestre em Arte e Cultura Contemporânea pela UERJ, com pesquisa sobre o crítico Mário Pedrosa. Atuou na equipe de curadoria da Casa França-Brasil (2016) e foi coeditora da revista USINA. Curou exposições em instituições e espaços independentes no Rio de Janeiro e em São Paulo, com especial interesse para a interseção entre poesia e artes visuais.

Sábado 05/10 – 17h
Dora Smék e Pollyana Quintella conversam a respeito da performance “Transbordação”

CCSP

Sábado 19/10 – 17h
Exposição Mulheres na Arte Brasileira: Entre Dois Vértices – Pollyana Quintella conversa com Prili & Coletivo Piratas do Gênero

CCSP

Sábado 12/10 – 17h
Micaela Cyrino e Pollyana Quintella conversam sobre a performance “Cura”

CCSP

Sábado 28/09 – 18h
Élle de Bernardini e Carollina Lauriano conversam com Pollyana Quintella sobre a performance “Dance With Me”

CCSP

Caio César

Professor de Geografia e integrante do MEMOH

Caio César, graduando e professor de geografia, um dos autores do livro “Diálogos Contemporâneos sobre Homens Negros e Masculinidades”.

Sábado 21/09 – 18h45-20h15
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo: Homens, o papo também é com vocês – um debate sobre masculinidades

CCSP | Jardel Filho

Érica Peçanha

Pesquisadora da USP e antropóloga

Érica Peçanha é antropóloga e tem se dedicado a pesquisar a produção cultural da periferia no cenário contemporâneo. É autora dos livro “Vozes marginais na literatura” e co-autora de “Polifonias marginais”. Atualmente, é pesquisadora de pós-doutorado do Instituto de Estudos Avançados da USP.

Sábado 21/09 – 16h15-18h30
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – As mulheres como expressão da potência da periferia
CCSP | Jardel Filho

Selma Dealdinha

Secretária Executiva da CONAQ e Conselheira da Anistia Internacional e Coalizão Negra por Direitos

Selma dos Santos Dealdina é nascida no Quilombo Angelim III no Território Sapê do Norte em São Mateus/ES, formada em Serviço Social, bolsista do PROUNI. Atualmente é secretária Executiva da CONAQ, em Brasília, e Conselheira da Anistia Internacional e Coalizão Negra por Direitos. Ativista Cultural, discute organicidade interna e coletiva das mulheres quilombolas na realização de oficinas regionais e nacionais de enfrentamento ao Racismo, violência agrária e doméstica. Integrou a coordenação do relatório Racismo e Violência contra os quilombos no Brasil, lançado em 2018.

Sábado 21/09 – 16h45-18h30
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – As mulheres como expressão da potência da periferia
CCSP | Jardel Filho

Patrícia Campos de Mello

Repórter especial e colunista da Folha de S. Paulo

Patrícia Campos Mello é repórter especial e colunista da Folha de S.Paulo. Foi vencedora do Prêmio Internacional de Liberdade de Imprensa do CPJ em 2019, prêmio Internacional de Jornalismo do Rei da Espanha, prêmio de Jornalismo Humanitário do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, grande prêmio Petrobrás, grande prêmio Folha e Prêmio Estado. É formada em Jornalismo pela Universidade de São Paulo e tem mestrado em Business and Economic Reporting pela Universidade de Nova York. Idealizou o premiado projeto Mundo de Muros, especial multimídia sobre a crise das migrações feito em quatro continentes. Esteve diversas vezes na Síria, Iraque, Turquia, Líbia, Líbano e Quênia fazendo reportagens sobre os refugiados e a guerra. É autora do livro “Lua de Mel em Kobane”, da Companhia das Letras, sobre um casal de sírios sobrevivendo do cerco do Estado Islâmico, que ela conheceu na Síria. Foi a única repórter brasileira a cobrir a epidemia de ebola em Serra Leoa em 2014 e 2015. Foi correspondente em Washington do jornal Estado de S. Paulo de 2006 a 2010. Fez coberturas sobre a crise econômica nos EUA e cobriu as eleições americanas de 2008, 2012 e 2016. É mãe de Manuel, de 7 anos.

Domingo 22/09 – 17h30-18h45
Mesa de Debate – Campanha de mulher
CCSP | Adoniran

Ana Carolina Evangelista

Cientista e Pesquisadora do Instituto de Estudos da Religião (ISER)

Ana Carolina Evangelista é cientista política, com mestrado em relações internacionais pela PUC-SP e em gestão pública pela FGV-SP. Já atuou em diversas organizações públicas e da sociedade civil. Atualmente é pesquisadora do ISER – Instituto de Estudos da Religião – no Rio de Janeiro (Brasil), onde coordena uma área sobre religião e espaço público. É colunista do site da Revista Piauí. Pesquisa inovações democráticas na América Latina, sistema político brasileiro, eleições e o papel de grupos religiosos na política.

Sábado 21/09 – 17h30-18h45
Mesa de Debate – O sistema eleitoral que temos e as comparações internacionais
CCSP | Espaço Adoniran Barbosa

Rita de Cássia

Corinthiana e Bacharel em direito pela USP

Rita de Cássia é corinthiana, bibliófila, chocólatra, bacharel em direito pela USP, feminista, marxista e cinéfila. Frequentadora assídua das arquibancadas há mais de 10 anos, ela se juntou ao Movimento Toda Poderosa Corinthiana (MTPC) pouco tempo após sua formação.

Domingo 22/09 – 15h-15h45
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Movimento Toda Poderosa Conrinthiana
CCSP | Espaço Missão

Analu Tomé

Fundadora do Movimento Toda Poderosa Corinthiana

Analu Tomé tem 49 anos — 20 de arquibancada. Além de atuar na área de marketing, faz parte da equipe da Rádio Coringão, a rádio oficial do Sport Club Corinthians Paulista. É uma das fundadoras do Movimento Toda Poderosa Corinthiana (MTPC).

Domingo 22/09 – 15h-15h45
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Movimento Toda Poderosa Conrinthiana
CCSP | Espaço Missão

Mário César Lugarinho

Professor de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa (USP)

Mário César Lugarinho é professor associado da USP, na área de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa, e bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq. É pesquisador associado do Centro de Estudos Comparatistas, da Universidade de Lisboa, e do Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa, da Universidade do Porto. Foi Professor Visitante na Universidade de Lisboa e na Universidade de Macau. É Doutor em Letras pela PUC-Rio. Com outros pesquisadores, fundou em junho de 2001 a Associação Brasileira de Estudos da Homocultura (ABEH), primeira associação científica mundial a se dedicar aos estudos queer. Realiza pesquisa no âmbito dos estudos de gênero e da teoria queer desde 1998 e, nos últimos anos 10 anos, tem se dedicado aos estudos das masculinidades nas culturas de língua portuguesa.

Sábado 21/09 – 18h45-20h15
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo: Homens, o papo também é com vocês – um debate sobre masculinidades
CCSP | Espaço Jardel Filho

Thais Scabio

Cineasta e artista educadora

Thais Scabio é cineasta, cineclubista e artista educadora. Fez pós-graduação em “Teoria do Processo de Criação de Mídia Digital” pela ECA/USP. É uma das idealizadoras do Mascate Cineclube: cineclube itinerante na região da Cidade Ademar. Criou a Cavalo Marinho Audiovisual, junto com Gilberto Caetano, se especializando em produção e formação audiovisual. Como diretora fez o premiado curta infantil “Caixa d’água”, e “Barco de Papel”, primeiro drama que também assina como roteirista, atualmente circulando em festivais nacionais e internacionais. Como produtora se destacam “Graffiti Dança” direção de Rodrigo Eba!, premiado como Melhor Curta Brasileiro do AnimaMundi, em 2013, “Imagem Mulher”, sob direção de Maristela Bizarro.
Foi curadora de diversas mostras e parecerista de edital do Minc em audiovisual. Desde 2005 oferece oficinas audiovisuais em regiões da periferia de São Paulo. Co-criou, em 2009, o projeto “JAMAC Cinema Digital”, no Jardim Miriam Arte Clube, na zona sul de São Paulo, recebendo o prêmio “Formação para competências Criativas”, do MINC, pelo projeto pedagógico, formando mais de três mil jovens e adultos. Criadora e diretora da MIIA – Mostra Itinerante Infanto-Juvenil de Audiovisual. Atualmente coordena a produção e formação audiovisual no projeto Laburbe, em Santo André. É sócio-fundadora, Conselheira e integrante do GT de formação da APAN – Associação dos Profissionais do audiovisual Negro.

Sábado 21/09 – 16h45-18h30
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – As mulheres como expressão da potência da periferia
CCSP | Espaço Jardel Filho

Karen Worcman

Historiadora e Diretora-presidente do Instituto Museu da Pessoa

Karen Worcman é historiadora, com mestrado em Linguística. Fundadora e diretora- presidente do Instituto Museu da Pessoa (www.museudapessoa.net) desde 1991. Doutoranda e pesquisadora do Diversitas – Programa Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades da FFLCH/USP . É fellow Ashoka e membro do conselho de ética do Memory Studies Association (www.memorystudiesassociation.org), do Center For Digital Storytelling (http://storycenter.org) e Storytelling collector do Wellbeing Project (www.wellbeing.org). Foi editora e co-editora das publicações “Historia Falada: memória, rede e mudança social” (2006), “Tecnologia Social de Memória” (2009), “Transformações Amazônicas” (2010) , “Todo Mundo tem uma História para contar” (2012), “Quase Canções” (2017) e “Social Memory Tecnhology: Theory, Practice, Action” (em parceria com Joanne Garde-Hansen – Warrick University – Routledge Publications house – 2016).

Domingo 22/09 – 18h15-19h45
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo: Ancestralidade e Gênero: como esse debate fortalece a luta das mulheres?
CCSP | Espaço Jardel Filho

Ingrid Farias

Escritora, Pesquisadora e Coordenadora da Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas

Ingrid Farias é feminista negra decolonial, escritora, pesquisadora, Aceleradora Social, coordenadora da Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas, fundadora do Observatório Feminista do Nordeste e integrante do grupo politico A Quilomba.

Domingo 22/09 – 16h15-18h00
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Cuidado e sobrevivência nas periferias: o que as mulheres têm a dizer?
CCSP | Espaço Jardel Filho

Stephanie Ribeiro

Arquiteta e escritora

Stephanie Ribeiro é arquiteta, escritora e feminista negra que escreve, palestra e acredita através da arte, política, cultura entre outros no papel fundamental do ativismo negro interseccional e temas adjacente a experiência da mulher negra no mundo. Atualmente é colunista da revista Marie Claire.

Sábado 21/09 – 15h00-16h30
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo – Vozes negras nas artes: qual a condição da produção artística negra e feminina no Brasil?
CCSP | Espaço Jardel Filho

Carol Vergolino

Jornalista

Carol Vergolino é jornalista, feminista e mãe. Realizadora do audiovisual, militante da cultura em Pernambuco. Integrante da diretoria da Associação Brasileira de Documentaristas (ABD). Membra da partidA, do Mulheres do Audiovisual de Pernambuco e do coletivo Agora É Com A Gente

Domingo 22/09 – 19h-20h15
Mesa de Debate – 2020: Desafios e soluções para elevar a representação de mulheres na política
CCSP | Espaço Adoniran Barbosa

Cris Vianna

Atriz

Cris Vianna iniciou a carreira como modelo e chegou a desfilar em passarelas internacionais, e hoje acumula trabalhos elogiados em diversos gêneros. Sua última personagem na TV foi Cairu, na novela “O Tempo Não Para”, exibida pela Globo em 2018. Anteriormente, já havia participado de outros sucessos da emissora, como “América”, “Sinhá Moça”, “O Profeta”, “Duas Caras”, “Salve Jorge” e “Império”. Também já foi reconhecida com diversos prêmios por suas atuações no cinema, especialmente por “Besouro”, pelo qual recebeu o Trófeu Raça Negra de Melhor Atriz, e “Última Parada 174”, de Bruno Barreto. Seu último trabalho no cinema, “O Segredo de Davi”, lançado em 2018, foi exibido em festivais internacionais.

Sábado 21/09 – 15h00-16h30
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo – Vozes negras nas artes: qual a condição da produção artística negra e feminina no Brasil?
CCSP | Espaço Jardel Filho

Margarete Coelho

Advogada e Professora de Direito

Margarete Coelho exerceu os mandatos de Deputada Estadual e Vice-governadora do Piauí, condição na qual foi a primeira mulher a assumir o Governo daquele Estado. É advogada e professora de direito, com maior atuação em direito eleitoral e constitucional. Formada em Direito, doutoranda em Direito e Políticas Públicas pelo Centro Universitário de Brasília. Autora do livro “Democracia na Encruzilhada: reflexões acerca da legitimidade democrática da Justiça Eleitoral brasileira para cassação de mandatos” e organizadora do Congresso de Ciência Política e Direito Eleitoral do Piauí (CONCIPOL).

Domingo 22/09 – 17h30-18h45
Mesa de Debate – Campanha de mulher
CCSP | Espaço Adoniran Barbosa

Preta Rara

Rapper e Historiadora

Preta Rara é rapper, historiadora, turbanista, modelo e influenciadora digital. Lançou o CD “Audácia”, em 2015, e a página “Eu, Empregada Doméstica”, no Facebook, em 2016, — que, com mais de 160 mil seguidores, abriu um novo espaço para o diálogo sobre as condições de trabalho das trabalhadoras domésticas no país. Em 2017 foi a vez da websérie “Nossa Voz Ecoa”, que aborda temática relacionada à cultura e estética negra, racismo, machismo, gordofobia e hip hop. Em 2019 está lançando seu primeiro livro chamado “Eu Empregada Doméstica – a senzala moderna é o quartinho da empregada” pela Editora Letramento.

Sábado 21/09 – 20h30-22h
Preta Rara convida DJ Kmina, Rap Plus Size, Ma Boo
CCSP | Espaço Adoniran Barbosa

Domingo 22/09 – 19h-19h45
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Caminhada das Mulheres
CCSP | Espaço Missão

Kenia Maria

Atriz, Escritora e Roteirista

Kenia Maria é atriz, escritora, roteirista, escritora e Ialorixá. Defensora das mulheres negras na Onu mulheres, pesquisadora de conteúdo da rede Globo, colunista da VogueGente, vencedora do Prêmio Faz Diferença do Jornal O Globo 2018.
Em 2013 criou a primeira webserie protagonizado por negros no Brasil. Foi eleita em 2018 uma das 100 pessoas negras mais influentes do mundo pela iniciativa Most Influential People of African Descent, em Nova York.
Palestrou no TEDxSaoPaulo “Mulheres que inspiram” sobre a ausência do negro na publicidade e na indústria audiovisual. É criadora da coleção “Contos de um Brasil que eu não sei”, livros infantis que falam sobre ecologia através da mitologia Iorubá, no intuito de levar a história da África para as escolas, com base na lei 10.639. Embaixadora do festival de cinema negro Zozimo BuBul. Mobilizadora do projeto Criança Esperança da Rede Globo em 2018 / 2019. Conselheira do museu da Escravidão e da Liberdade (MEL).

Domingo 22/09 – 18h15-19h45
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo: Ancestralidade e Gênero: como esse debate fortalece a luta das mulheres?
CCSP | Espaço Jardel Filho

MC Soffia

Rapper

Aos 12 anos, a rapper MC SOFFIA já é nacionalmente conhecida por seu posicionamento engajado, letras que abordam temas fortes e, apesar do toque infantil, carrega em suas composições uma maturidade ímpar. Paulistana, se viu projetada ao mundo quando junto de sua “madrinha da música”, Karol Conká, dividiram o palco na abertura das olimpíadas Com opinião forte, a cantora leva para seu público, composto em sua maioria por crianças e pré-adolescentes, letras que falam sobre racismo, discriminação e conscientização.

Sábado 21/09 – 15h00-16h30
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo – Vozes negras nas artes: qual a condição da produção artística negra e feminina no Brasil?
CCSP | Espaço Jardel Filho

Paula Cesarino Costa

Repórter Especial da Folha de S. Paulo

Paula Cesarino Costa é jornalista, editora de Diversidade da Folha de S. Paulo. Foi ombudsman do jornal entre 2016 e 2019. Atuando na Folha desde 1987, foi secretária de Redação, diretora da Sucursal do Rio de Janeiro, editora de Política, de Negócios e de Especiais. Coordenou também o Programa de Treinamento do jornal.

Sabádo 21/09 – 16h-17h15
Mesa de Debate – Interseccionalizando as violências na política
CCSP | Espaço Adoniran Barbosa

Eliane Dias

Empresária musical

Eliane Dias é empresária musical responsável pelas carreiras do Racionais MC’s, Mano Brown, Alt Niss, Filipi Neo e Victória Cerrid, advogada e ativista. Atualmente em busca de novas formas de resiliência para manter a cena de resistência.

Domingo 22/09 – 18h-18h45
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Caminhada das Mulheres
CCSP | Anexo

Suzi Soares

Produtora da Felizs - Feira Literária da Zona Sul

Suzi Soares é produtora da Felizs – Feira Literária da Zona Sul e organiza o Sarau do Binho. Atua na região do Campo Limpo, Zona Sul de São Paulo, local onde nasceu e cresceu. Em sua casa organiza, junto com o companheiro Binho, Clube de Leitores e encontros com autores, além de ações de incentivo à leitura, como a Bicicloteca e a Kombiblioteca, distribuindo livros aos leitores da região.

Domingo 22/09 – 16h15-18h00
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Cuidado e sobrevivência nas periferias: o que as mulheres têm a dizer?
CCSP | Espaço Jardel Filho

Manoela Miklos

Doutora em Relações Internacionais e especialista em direitos humanos

Manoela Miklos nasceu em São Paulo em setembro de 1983. É Bacharel, Mestre e Doutora em Relações Internacionais e especialista em direitos humanos. Integrou o time do Programa para a América Latina da Open Society Foundations por cinco anos. Hoje coordena o programa Believe da Alana Foundation, uma iniciativa desenhado para testar a ativação de narrativas positivas sobre o meio ambiente e direitos humanos. Acredita que só avançaremos nas agendas socioambientais e evitaremos retrocessos e desmontes se ganharmos corações. Precisamos transcender as bolhas. Ativista feminista, é colunista da Revista Veja e da Folha de São Paulo e escreve sobre desigualdade, gênero e política. Uma das fundadoras do coletivo Agora É Que São Elas, edita o blog com mesmo nome atualmente hospedado pela Folha de São Paulo.

Domingo 22/09 – 20h30-21h30
Masterclass – Alyssa Battistoni com mediação de Manoela Miklos
CCSP | Adoniran Barbosa

Heloisa Buarque de Hollanda

Coordenadora do Programa Avançado de Cultura Contemporânea da UFRJ

Coordenadora do Programa Avançado de Cultura Contemporânea da UFRJ, desenvolve o laboratório de tecnologias sociais Universidade das Quebradas, baseado no conceito de ecologia dos saberes. Trabalhou em cinema , rádio e TV e dirigiu o Museu da Imagem e do Som, no RJ. Atualmente, as questões relativas ao cruzamento da tecnologia, cultura e desenvolvimento bem como a questao dos direitos humanos são seu foco principal. É autora de muitos livros, tendo publicado recentemente: Explosão Feminista (Cia. das Letras, 2018), O Pensamento Feminista: conceitos fundamentais e Pensamento Feminista Brasileiro: formação e contexto (ambos pela Bazar do Tempo, 2019).

Domingo 22/09 – 15h-15h45
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Caminhada das Mulheres
CCSP | Espaço Missão

Neide Santos

Atleta

Neide Santos é uma atleta que, através da corrida de rua, constrói a inclusão de centenas de meninas e mulheres, de 06 a 100 anos, no esporte em seu projeto Vida Corrida, no bairro do Capão Redondo, na periferia da zona sul paulistana. Com a corrida de rua, promovem a inclusão social, a saúde, a autoestima e a qualidade de vida dos moradores. Pelo trabalho, recebeu inúmeros prêmios. Em 2009, recebeu o prêmio “Mulheres Virando o Jogo no Esporte”, desenvolvido pelo Changemakers, em parceria com a Nike. Em 2016, Neide carregou a tocha olímpica.

Domingo 22/09 – 14h30-16h
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Atletas, mulheres e campeãs: a representatividade das mulheres nos esportes
CCSP | Jardel Filho

Flavia Annenberg

Gerente de Políticas Públicas UBER

Flavia Annenberg é gerente de políticas públicas na Uber e lidera o grupo de mulheres da empresa, Women@Uber. Advogada e mestra em direito econômico pela Faculdade de Direito da USP, trabalhou com políticas públicas na gestão municipal de São Paulo e com direitos humanos na Conectas. Também é mestra pela Harvard Law School onde estudou teoria jurídica feminista e direitos das mulheres. Foi colaboradora da Pluraliza, empresa que atua para inclusão e promoção da diversidade no mercado de trabalho.

Domingo 22/09 – 14h30-15h45
Mesa de Debate – Historicamente como as mulheres fizeram política estando fora da política?
CCSP | Adoniran Barbosa

Joenia Batista de Carvalho

Deputada Federal por Roraima

Joenia Batista de Carvalho pertence ao povo Wapichana. Ela é a primeira Deputada Federal Indígena. Formada em Direito pela Universidade Federal de Roraima, em 1997, é considerada a primeira advogada a exercer a profissão em favor dos povos indígenas. Tem mestrado pela
Universidade do Arizona, USA, 2011, com bolsa da Fundação Fullbright. Foi coordenadora do departamento jurídico do Conselho Indígena de Roraima – CIR (1999-
2018). Atuou em diversos de conselhos de controle social, como o Conselho do
Desenvolvimento Econômico e Social – CDES e o Conselho Nacional de Biodiversidade –
CONABIO.
De 2001 a 2006, participou das discussões sobre a Declaração dos Direitos Humanos da ONU e, em 2005,coordenou o Projeto Balcão da Cidadania, reunindo diversos órgãos públicos federais e estaduais para levar documentos civis básicos a indígenas. De 2013 a 2015, atuou como Conselheira do Fundo Voluntário da ONU para Povos Indígenas.

Sabádo 21/09 – 16h-17h15
Mesa de Debate – Interseccionalizando as violências na política
CCSP | Adoniran Barbosa

Izzy Gordon

Cantora e Compositora

Izzy Gordon é cantora e compositora de jazz, blues, funk, rap e MPB.
Gravou o primeiro CD “Aos Mestres com Carinho – Homenagem a Dolores Duran” em 2005, pela gravadora Trama, cantando somente canções compostas ou interpretadas por sua tia, esse trabalho em homenagem a Dolores recebeu duas pré-indicações: Grammy Latino e Prêmio TIM (Revelação).
Em 2010, pelo selo Label A, lançou o segundo CD, cuja faixa-título, “O Que Eu Tenho Pra Dizer”, foi sua primeira composição. Já em 2011 Izzy lançou pela gravadora Jóia Moderna o CD “Negro Azul da Noite”, onde canta composições menos conhecidas de compositores negros, como Tim Maia, Leci Brandão, Carlinhos Brown, Milton Nascimento, e outros. Em 2013 fez sua primeira turnê pela Europa. Lançou, em 2018, o quarto álbum, intitulado Pra Vida Inteira. Neste, das oito faixas, três são composições dela.

Sábado 21/09 – 15h00-16h30
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo – Vozes negras nas artes: qual a condição da produção artística negra e feminina no Brasil?
CCSP | Jardel Filho

MC Carol

Cantora e compositora

Cria do Preventório, em Niterói, MC Carol chama atenção por abordar em seu trabalho a realidade das comunidades, a sexualidade e o feminismo, com ousadia e bom humor.
Em 2012, ela se tornou um enorme sucesso com músicas como “Minha vó tá maluca”, registradas, em um DVD da Furacão 2000. Mas foi só em 2015 que MC Carol foi descoberta pelo grande público, durante a sua participação no reality show da FOX chamado “Lucky Ladies”.
Heavy Baile se tornou um dos seus maiores parceiros musicais e Leo Justi uniu as batidas do funk de Carol ao trap, para produzir o primeiro álbum da funkeira, “Bandida”. Nele, estão faixas como “Delação Premiada” e “100% Feminista” – que já possui mais de 3.5 milhões de plays no YouTube. A última, parceria com Karol Conká, é tida como um hino para o público e para a própria Carol.
Em 2019, após o lançamento do single “Mamãe da Putaria”, música com Tati Quebra Barraco e Heavy Baile, a artista trabalha em seu novo álbum e é uma das atrações confirmadas no Rock In Rio. Além disso, a agenda de Carol em 2019, tem incluído também a representação do funk e da cultura periférica no exterior, com shows no Reino Unido, Alemanha e Portugal, além da participação em uma conferência sobre os rumos da democracia brasileira na Brown University (Estados Unidos).

Sábado 21/09 – 18h-18h45
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Caminhada das Mulheres
CCSP | Espaço Missão

Débora Silva

Coordenadora do Movimento Mães de Maio

Debora Silva é militante e coordenadora do Movimento Mães de Maio, rede de mães, familiares e amigos de vítimas da violência do Estado brasileiro e da Polícia Militar, formado após os Crimes de Maio de 2006. É pesquisadora do Centro de Arqueologia e Antropologia Forense (CAAF) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e educadora popular em parceria com a Anistia Internacional no Brasil. Com Clara Ianni, é co-autora de “Apelo”, obra apresentada na 31ª Bienal de São Paulo, 2014.

Domingo 22/09 – 16h15-18h
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo – Cuidado e sobrevivência na periferia
CCSP | Jardel Filho

Michelle Ramos

Assessora Especial do Instituto Igarapé

Michele Gonçalves dos Ramos é Assessora Especial do Instituto Igarapé, onde trabalha desde 2013, atuando sobretudo nas pautas de segurança pública e justiça criminal. Possui Bacharelado em Relações Internacionais na Universidade de São Paulo e Mestrado em Segurança Internacional pela Sciences Po. Atuou em projetos com crianças e adolescentes na zona sul da cidade de São Paulo e trabalhou em projetos sobre educação e prevenção da violência na UNESCO – Rede de Escolas Associadas, Bureau Internacional da Educação (IBE) e Instituto Internacional da Planificação da Educação (IIEP). É comentarista do quadro Rio mais Seguro da CBN.

Domingo 22/09 – 16h15-18h
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo – Cuidado e sobrevivência na periferia
CCSP | Jardel Filho

Janeth Arcain

Jogadora de basquete

Érica Peçanha é antropóloga e tem se dedicado a pesquisar a produção cultural da periferia no cenário contemporâneo. É autora dos livro “Vozes marginais na literatura” e co-autora de “Polifonias marginais”. Atualmente, é pesquisadora de pós-doutorado do Instituto de Estudos Avançados da USP.Janeth Arcain é uma jogadora brasileira de basquetebol, natural de Carapicuiba, em SP. Atuava como ala-armadora e foi uma das expoentes da seleção, sendo campeã mundial em 1994 e vencedora de duas medalhas olímpicas. Janeth é a terceira maior pontuadora da história da seleção, tendo anotado 2.247 pontos em 138 jogos oficiais, média de 16,3 pontos por jogo. Janeth decidiu se manter na seleção até o Pan de 2007 no Rio, onde se aposentou do basquetebol profissional com a medalha de prata. De 2009 a 2011, exerceu o cargo de treinadora e assistente técnica da Seleção Brasileira de Basquete Feminino. Em 2017, assumiu o cargo de Membro do Conselho Executivo (Estatutário) do Comitê Olímpico do Brasil (COB).

Domingo 22/09 – 14h30-16h
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo – Atletas, mulheres: a representatividade das mulheres no esporte
CCSP | Jardel Filho

Mariana Ximenes

Atriz

Atriz com mais de 25 anos de carreira, Mariana Ximenes atuou em quase 35 projetos para televisão (Joia Rara, Passione e A Favorita) e interpretou mais 24 personagens no cinema (O Invasor, A máquina, Um Homem só”). No teatro, atuou em A Rosa Tatuada, de Tennessee Williams, e em Os Altruístas, de Nicky Silver, dirigido por Guilherme Weber.

Domingo 22/09 – 21h-21h30
Intervenção artística – Mariana Ximenes em “O Anjo do Lar”
CCSP | Jardel Filho

Miriam Alves

Bacharel em Serviço Social e Escritora

Miriam Alves é Bacharel em Serviço Social, integrante do Quilombhoje Literatura (1980 a 1989). Em 36 anos de vida literária, publicou seis livros: Momentos de Busca (1983), Estrelas nos Dedos (1985), Ensaio Brasilafro autorrevelado (2010), Contos Mulher Mat(r)iz (2011) em poesia; e em romance, lançou dois primeiros volumes de uma quintologia: Bará na trilha do vento, (2015); Maréia (2019). Ministrou cursos de Literatura e Cultura Afro-brasileira, como escritora visitante, na Universidade do Novo México, e na Escola de Português de Middlebury College, EUA. A partir de 1982 publicou poemas e contos em Cadernos Negros, participando do volume cinco ao volume quarenta (2017). Co-organizou duas antologias bilíngues internacionais: Finally us: Contemporary Black Brazilian Women Writers (1995), e Women righting – Afro-Brazilian Women’s Short Fiction (2005).

Domingo 22/09 – 18h15-19h45
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo – Ancestralidade e Gênero
CCSP | Jardel Filho

Adriana Barbosa

Empreendedora e Realizadora da Feira Preta

Adriana Barbosa é paulistana, uma das 51 pessoas negras mais influentes do mundo e a primeira brasileira a ganhar um prêmio no MIPAD, premiação mundial para afrodescendentes realizada em Nova York! É a criadora da FEIRA PRETA, o maior evento evento de cultura negra da América Latina, que será uma das atrações do Festival!

Sábado 21/09 – 16h-16h45
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Caminhada das Mulheres
CCSP | Espaço Missão

Daiane dos Santos

Ex-ginasta artística

Daiane dos Santos é ex-ginasta artística. Foi a primeira ginasta brasileira, entre homens e mulheres, a conquistar uma medalha de ouro em uma edição do Campeonato Mundial. Daiane dos Santos fez parte da primeira seleção brasileira completa a disputar uma edição olímpica. Daiane possui ainda dois movimentos nomeados após ser a primeira ginasta no mundo a realizá-los: o duplo twist carpado, ou Dos Santos I, e a evolução deste primeiro: o duplo twist esticado, ou Dos Santos II.

Domingo 22/09 – 14h30-16h
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – Abrindo o Verbo – Atletas, mulheres: a representatividade das mulheres no esporte
CCSP | Jardel Filho

Tainá de Paula

Arquiteta e Ativista das lutas urbanas

Tainá de Paula é arquiteta e urbanista, ativista das lutas urbanas, especialista em Patrimônio Cultural pela Fundação Oswaldo Cruz e Meste em Urbanismo pela UFRJ. Atuou em diversos projetos de urbanização e habitação popular, realizando assistência técnica para movimentos de luta pela moradia como União de Moradia Popular (UMP) e Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST). Hoje presta assistência para o movimento Bairro a Bairro, onde atua como arquiteta e como mobilizadora comunitária em áreas periféricas.
É membro da Comissão de Gênero do CAU-RJ e atualmente Coordenadora Regional do Projeto Brasil Cidades. É Conselheira do Centro de Defesa e Direitos Humanos Fundação Bento Rubião e da ONG Rede Nami. Representante do Brasil no Fórum Mundial das Nações Unidas para o Desenvolvimento na Tunísia, realizado em abril de 2019.

Sábado 21/09 – 19h-20h15
Mesa de Debate – O Legado de Marielle Franco
CCSP | Adoniran Barbosa

Flora Cardoso Braga

Ativista social

Flora Cardoso Braga é casada e paulistana, de alma soteropolitana. Ativista social pela liberdade da mulher e chefe de cozinha, Flora é uma mulher que deu a volta na volta que a vida deu.

Domingo 22/09 – 16h-16h45
Ocupação: mulheres em múltiplos espaços de poder – Caminhada das mulheres
CCSP | Espaço Missão

foto: Carlos Sales

Karol Conka

Cantora, Rapper e Compositora

Karol Conka é rapper, cantora e compositora, além de atriz, produtora, modelo e apresentadora. Em 2011, Karol disponibilizou seu primeiro EP intitulado “PROMO”. Depois de algumas parcerias, entre elas com o rapper Projota, na canção “Não Falem!”, em 2012, ela encontrou Nave, que foi produtor de seu primeiro álbum “Batuk Freak”. Em 2013, Karol recebeu sua primeira estatueta na categoria Artista Revelação, no Prêmio Multishow de Música Brasileira. Com o lançamento da canção “Tombei” com o grupo Tropkillaz, em 2015, ela voltou à premiação, vencendo a categoria Nova Canção.
A partir de sua trajetória, Karol Conka se consagrou como um dos grandes nomes do rap e do movimento feminista no país, fazendo shows no mundo inteiro.

Foto: Carlos Sales

Sábado 21/09 – 16h15-18h30
Ocupação: Mulheres em Múltiplos Espaços de Poder – As mulheres como expressão da potência da periferia
CCSP | Jardel Filho

Ana Beatriz Domingues

Poeta e artista-educadora

Ana Beatriz Domingues nasceu numa madrugada de fevereiro na cidade do Rio de Janeiro, vive em São Paulo. É poeta, artista-educadora e terapeuta holística. Publicou ‘Atlântida’(Editora Urutau, 2019), e ‘Verão Cinza’ (Editora Primata, 2019).

Sábado 21/09
Poesia – Leitura ininterrupta, exaustiva e paciente – Leitura de “Uma paciência selvagem”, de Adrienne Rich (Livros Cotovia)
CCSP |

Domingo 22/09
Poesia – Leitura ininterrupta, exaustiva e paciente – Leitura de “Reino dos bichos e dos animais é o meu nome”, de Stela do Patrocínio (Azougue Editorial)
CCSP |

Cecília Floresta

Escritora

Cecília Floresta afrodescende, é escritora, candomblezeira & sapatão. nasceu na capital paulista numa dessas manhãs de dezembro, fazia sol e o ano era 1988. ganha a vida editando livros, pesquisa narrativas e poéticas ancestrais iorubás e seus desdobramentos na diáspora negra contemporânea, lesbianidades e literaturas insurgentes. tem editados os poemas crus (Patuá, 2016) e a zine genealogia (móri zines, 2019).

Sábado 21/09
Poesia – Leitura ininterrupta, exaustiva e paciente – Leitura de “Uma paciência selvagem”, de Adrienne Rich (Livros Cotovia)
CCSP

Domingo 22/09
Poesia – Leitura ininterrupta, exaustiva e paciente – Leitura de “Reino dos bichos e dos animais é o meu nome”, de Stela do Patrocínio (Azougue Editorial)
CCSP

Helena Zelic

Poeta

Helena Capriglione Zelic nasceu em São Paulo em 1995. Poeta, publicou os livros Durante um terremoto (Patuá, 2018) e Constelações (Patuá, 2016), as plaquetes 3.255km (Nosotros, 2019) e Caixa preta (Primata, 2019), além de participar de antologias, revistas e portais. Formou-se em Letras na Universidade de São Paulo e é comunicadora. É lésbica, feminista, militante da Marcha Mundial das Mulheres.

Sábado 21/09
Poesia – Leitura ininterrupta, exaustiva e paciente – Leitura de “Uma paciência selvagem”, de Adrienne Rich (Livros Cotovia)
CCSP

Joana Côrtes

Poeta

Joana Cortês é poeta das águas salobras de Aracaju desde 1980. Vive na Desvairada há dez anos. É jornalista e mestre em história social pela PUC-SP, autora do livro Dossiê Itamaracá (Prêmio Memórias Reveladas/Arquivo Nacional, 2015). Participa com poemas na antologia LGBTQ “A Resistência dos Vagalumes” (editora Nós, 2019) e da coletânea de contos “Maus Escritores” (Edith, 2010); das residências artísticas “Mostra de Criadoras em Moda: Mulheres Afrolatinas” (Sesc_SP, 2018) e “os Brasis em SP” (Red Bull Station, 2016). Integra desde 2016 a coletiva Ilú Obá de Min. Em setembro, lança o livrofotopoema “Cospe Fogo”.

Sábado 21/09
Poesia – Leitura ininterrupta, exaustiva e paciente – Leitura de “Uma paciência selvagem”, de Adrienne Rich (Livros Cotovia)
CCSP

Natasha Felix

Escritora, redatora e educadora

Natasha Felix nasceu em Santos, em 1996. Vive em São Paulo e cursa Letras pela Universidade de São Paulo. É escritora, redatora e educadora. Publicou os zines anemonímia (2016), j. não é um nome (selo manga, 2017) e mariana compra um dildo (2018). Seu livro de estreia, Use o Alicate Agora foi lançado em 2018 pela editora Macondo. Tem textos publicados em revistas digitais e físicas.

Domingo 22/09
Poesia – Leitura ininterrupta, exaustiva e paciente – Leitura de “Reino dos bichos e dos animais é o meu nome”, de Stela do Patrocínio (Azougue Editorial)
CCSP

Maria Isabel Iorio

Poeta e artista visual

Maria Isabel Iorio nasceu no Rio de Janeiro, em 1992. É poeta e artista visual. Publicou Em que pensaria quando estivesse fugindo (Editora Urutau, 2016), AOS OUTROS SÓ ATIRO O MEU CORPO (Editora Urutau, 2019) e a publicação independente CAVAR UM BURACO NÃO VER O BURACO.

Sábado 21/09
Poesia – Leitura ininterrupta, exaustiva e paciente – Leitura de “Uma paciência selvagem”, de Adrienne Rich (Livros Cotovia)
CCSP

Domingo 22/09
Poesia – Leitura ininterrupta, exaustiva e paciente – Leitura de “Reino dos bichos e dos animais é o meu nome”, de Stela do Patrocínio (Azougue Editorial)
CCSP

Priscilla Campos

Jornalista, poeta e doutoranda em Literatura Hispano-Americana (USP)

Priscilla Campos nasceu no Recife. É jornalista, crítica literária, poeta e doutoranda em Literatura Hispano-Americana pela Universidade de São Paulo (USP). Pesquisa corpo e espaço na literatura uruguaia. Escreve para o Suplemento Pernambuco e outros veículos, assim como para revistas acadêmicas. Publicou, em poesia, o gesto (nosostros editorial) e, em formato ensaio, Nenhum muro à altura do peito (Edições Macondo).

Domingo 22/09
Poesia – Leitura ininterrupta, exaustiva e paciente – Leitura de “Reino dos bichos e dos animais é o meu nome”, de Stela do Patrocínio (Azougue Editorial)
CCSP

Marina Silva

Ambientalista, historiadora

Em 33 anos de vida pública, Marina Silva ganhou reconhecimento nacional e internacional pela defesa da Amazônia, da ética e do desenvolvimento sustentável. Uma reputação construída na atuação em movimentos sociais e sindicais, em mandatos de vereadora, deputada estadual e senadora e no período em que esteve à frente do Ministério do Meio Ambiente, entre janeiro de 2003 e maio de 2008. Filha de família pobre, Marina nasceu em uma casa sobre palafitas em Seringal Bagaço, no Acre. É admirável sua conquista, de se tornar uma mulher tão importante em nossa história, e isso não se deu sem inúmeras dificuldades e violências. Inclusive, dentro do poder. Sobre elas que falaremos.

Sábado 21/09 – 14h30-15h45
Mesa de Debate – Relatos do Front: ser mulher no poder

CCSP | Adoniran